SEGUIDORES

domingo, 10 de julho de 2011

......................................MUSICOTERAPIA

Veja o que a musicoterapia é capaz de fazer por você:
1 - Diminuir a ansiedade e as complicações cardíacas
2 - Aumentar a disposição física e mental
3 - Promover o equilíbrio da pressão arterial
4 Melhorar a resistência física
5 - Relaxar em situações de grande estresse
6 - Estimular o bom humor
7 - Deixar a mente serena
8 - Melhorar a concentração nas atividades intelectuais
9 - Deixar mais apurada as sensações gustativas, olfativas e visuais
10 - Aliviar a dor de cabeça
                                                             
Nao deixe faltar musica no seu dia.à.dia, o prazer e as lembranças que uma musica pode trazer sao eternos !

O tratamento é altamente indicado para pessoas que apresentam distúrbios de comunicação (como transtornos da fala e gagueira); de comportamento (como hiperatividade); neurológicos, lesões cerebrais, dislexias. Nem as doenças mentais, como autismo infantil, esquizofrenia e depressão, resistem a uns bons acordes.
"A música atinge em cheio o sistema límbico, região do nosso cérebro responsável pelas emoções, pela motivação e pela afetividade"
Músicas com ritmo muito marcante, não servem para o relaxamento, como por exemplo, o rock. O ritmo do rock é constante, ao passo que no relaxamento, a tendência é diminuir o pulso e o ritmo da respiração.
Cada ritmo musical produz um trabalho e um resultado diferente no corpo. Assim há músicas que provocam nostalgia, outras alegria, outras, tristeza, outras melancolia, etc.Alguns tipos de música podem servir de guia para as necessidades de cada pessoa. Bach, por exemplo, pode ajudar muito no aprendizado e na memória, Rossini, com Guilherme Tell e Wagner, com as Walkirias, ajudam especialmente no tratamento de pacientes com depressão. As valsas de Strauss podem contribuir e muito, para os momentos em que se necessita um maior relaxamento, estando bem indicadas para salas de parto. As marchas são um tipo de música que transmite energia, tão importante e escassa em áreas hospitalares de pacientes em convalescença.