SEGUIDORES

quarta-feira, 23 de fevereiro de 2011

MADE IN BRAZIL - PARTE II *****

São quarenta e três anos de banda:
Made in Brazil
Só para tocar   Rock’n’Roll,
completados este ano .

  A rebeldia jovem existe desde que o mundo é mundo. No entanto, a trilha sonora para essa rebeldia surgiu nos anos 50, quando a mistura de country (em sua variante mais caipira, o hillbilly) com o negro Blues começou a ser tocada em rádios dos EUA pelo DJ pioneiro em música jovem, Alan Freed, que a batizou com o nome de Rock ‘n’ Roll.
o Made in Brazil
: Tudo começou na Meca do Rock paulistano, o bairro da Pompéia, em 1967, quando os irmãos Oswaldo e Celso Vecchione, apaixonados pelo Rock ‘n’ Roll, se juntaram a alguns amigos para formar um grupo do estilo
Ali por 1973, o Made passou a fazer shows com repertório totalmente cantado em português, especialmente com composições próprias.
Em 74 foram contratados pela RCA Victor, que os manteve sob contrato até 1980. Nesse período lançaram seus primeiros álbuns, sempre de muita aceitação do público rockeiro, o que acabou por lhes angariar enorme número de seguidores: ”Made in Brazil” (74), “Jack. O Estripador” (76), “Paulicéia Desvairada” (78), “Minha Vida é o Rock ‘n’ Roll” (80) e participação na coletânea de 75, “Implosão do Rock”.
 Em 85, o grupo passou para a gravadora RGE, onde lançou mais três álbuns: “Deus Salva e o Rock Alivia” (85), “Made Pirata” - Volumes I e II (86); e fez uma participação super especial na coletânea” “Metal Rock” 85”.

Em 97, a RGE relançou em CD “MADE – Pirata”, juntando em um mesmo CD os dois discos.
Até então foram 9 álbuns, participações em antologias e coletâneas, 13 discos no total.
Em 98 para comemorar todos esses anos de estrada, o Made lançou pelo seu próprio selo, o Made in Brazil Records, seu 10º álbum, o CD “Sexo Blues & Rock ‘n’ Roll”. Foram quase três anos de gravações, 250 horas em estúdio de 24 canais. 
O álbum traz a formação da época do Made:- Oswaldo ‘Rock’ Vecchione - vocal, baixo, gaita e guitarra; Celso ‘Kim’ Vecchione - guitarra, baixo e teclados; Deborah Carvalho - percussão e back vocal e Rick “Monstrinho” Vecchione - bateria (filho de Oswaldo).
O disco traz ainda a participação de muitos convidados, entre eles Sérgio Dias Baptista, Charles Gavin, André Christóvam, luiz Carlini, Nasi, Roger, Clemente, ao todo, participaram 23 amigos, verdadeiras “feras” do Rock nacional .E com esse disco, o Made in Brazil caiu na estrada novamente com a turnê “Heróis do Rock’ (onde também participam várias bandas dos anos 70 como O Terço, Tutty Fruti, Pholhas ,Bixo da Seda ,Blindagem, Patrulha do Espaço, Casa das Máquinas e outros ...) e com o show ”Sexo, Blues & Rock ´n´ Roll “ pelo Brasil.
Em Fevereiro de 99 o MADE começou as gravações ao vivo de mais um trabalho, o CD Acústico “Fogo na Madeira” na cidade de Campinas. Em março a gravadora BMG relançou dois CD’s com os quatro primeiros álbuns da década de 70, no formato dois LPs em um CD. Até então foram 10 álbuns e mais a participação em 3 coletâneas, 13 discos no total.
Em Setembro de 2000, o MADE completou as gravações do novo CD “Fogo na Madeira”- Acústico, gravando um terceiro show, este  realizado com muito sucesso no Bourbon Street em São Paulo, um dos mais importantes espaços dedicados ao Blues no Brasil. O lançamento oficial aconteceu no mês de outubro de 2000, e rapidamente vendeu duas prensagens, já estando na terceira fornada. O sucesso e a repercussão foram tão grandes que o MADE gravou um 2o volume no Teatro SESI, também ao vivo, com a participação especial de vários amigos como: Netinho (Incríveis), Wander Taffo (ex: Made, Ex: Radio Táxi), Hélcio Aguirra e Paulo Zinner (ambos do Golpe de Estado), Caio Andrade (Velhas Virgens), Edu Ardanui (Dr. Sin), Roberto Lazarrini (ex: Made), Luiz Carlini (Tutty Frutti) , Cornélius , Caio Flavio e outros grandes músicos que aturaram no passado na banda .O CD
Fogo na Madeira vol. 2 foi lançado em dezembro de 2001 com uma ótima aceitação por boa parte dos críticos de Rock brazucas e com uma tiragem inicial de 3000 CD’s. .