SEGUIDORES

sábado, 1 de outubro de 2011

AS FRESCURAS DE FRED MERCURY



   Rock in Rio:
 Freddie Mercury era a diva do festival. Não permitia que ninguém se aproximasse e ameaçava ir embora se algum reles mortal o dirigisse a palavra. Acompanhe acontecimento relatado na revista Showbizz, em matéria especial sobre os quinze anos do Rock In Rio:

- Freddie Mercury deu fricote ao chegar à Cidade do Rock e encontrar o corredor cheio de plebeus (Erasmo Carlos, Elba Ramalho e outros astros da MPB, que esperavam para vê-lo). Entra em cena para segurar o pepino o bravo Amin Khader, responsável pelos camarins – que, àquela altura, já tinha tratado de acender o saquê a 20 graus para fazer a vontade de Sua Majestade. Travou-se então o seguinte diálogo...
Freddie: Quem são essas pessoas?
Amin: Grandes artistas brasileiros, gente do mesmo gabarito que você.
Freddie: Não podem ser do mesmo gabarito que eu, porque eles me conhecem e eu não os conheço!
Sua Majestade, então, do alto de seu posto de líder do grupo que cobrava o maior cachê do evento (US$ 600 mil), exigiu que todos saíssem do caminho ou voltava para o hotel. A duras penas, Amin conseguiu que cada um voltasse para o seu camarim. Porém, as portas permaneceram abertas. À passagem de Freddie, ouvia-se o coro de “Viado! Viado!”.
Freddie: O que eles estão gritando?
Amin: Estão te elogiando...
Freddie: É mentira!
Pas-sa-do, Freddie entrou em seu camarim. Minutos depois, saiu e procurou Amin. “No Brasil tem furacão?”, perguntou. Ao ouvir a negativa, Sua Majestade retrucou: “Pois acabou de passar um por aqui!”. “Quando eu entrei”, conta Amin, “estava tudo virado! A bicha tinha botado o camarim de pernas pro ar. Tinha mamão papaya até no teto!”.