SEGUIDORES

terça-feira, 26 de julho de 2011

......A FAMA E A MORTE *****

Ao morrer um famoso das artes, músicos, cantores, vemos o mundo todo noticiar.
Fãs exaltados, em prantos, a chorar, como se tivessem perdido os pais, irmãos.......
Albert Einstein por acaso é chorado por fãs? Morreu há gerações, mas seus estudos científicos revolucionaram o mundo.
Alexander Fleming ao desenvolver a penicilina salvou milhões de vidas, sim milhões, e salva a té hoje. Alguém lamenta sua morte?
Thomas Alva Edison inventou só a lâmpada elétrica...só...né?
Você está lendo isso agora graças à ele ter sido o precursor, você  ouve seus cantores e músicos graças aos amplificadores elétricos. Edison foi o precursor.
Alguém lamenta a morte de Edison, Einstein, Fleming e tantos outros? Não.
Muitos podem pensar ser um absurdo, logo eu, que gosto tanto de música, estar escrevendo isso.
Mas, escrevo com convicção: Admiro músicos bons, bons cantores, mas ser fã? Jamais.
São seres humanos que chegaram à fama após muito esforço, assim como os cientistas mencionados. São normais esforçados....
Enquanto fãs desesperados lamentam  por dias e dias a morte de um músico , milhares e milhares de coitadinhos estão morrendo nos leitos imundos de hospitais públicos, isso quando há lugar. Mas, mesmo assim, são tratados na maioria das vezes como "um a mais".
Já vi médicos falando ao lado de doentes conscientes: Esse já foi! E o paciente responder:  Não fui não doutor!
A mídia então, faz das tripas o coração para perpetuar a lembrança da morte de famosos. Com isso, multiplicam-se várias vezes os lucros da vendagem de discos, filmes e outros objetos que lembrem o famoso.
E o povão? O povão entra na deles.
Sabe o que nos falta? Falta Raiz ! 
Como disse Gibran Khalil Gibran: Uma raiz é uma flor que despreza a fama !!!