SEGUIDORES

sexta-feira, 15 de abril de 2011

RORY GALLAGHER *****

Todos temos preferências musicais. E a minha é a música, os solos, do irlandês William Rory Gallagher:  
 2 March 1948  – 14 June 1995
“Um homem que conseguiu combinar o dom de ser um gênio criativo autêntico com o dom mais raro de ser genuinamente decente, digno de um ser humano.”
Assim começou a série de homenagens prestadas a Rory Gallagher - o pioneiro Rock irlandês - publicada pelo jornal irlandês Hotpress em Julho de 1995.
Nasceu em Ballyshannon, Co. Donegal, em 2 de Março de 1948, ele cresceu na cidade de Cork. Com sede em Londres durante a maior parte de sua carreira de 30 anos, ele fez várias turnês, vendeu 30 milhões de discos, e teve muitos seguidores em todo o mundo de fãs leais.
Sua coragem e integridade ganhou o respeito e admiração afetiva de muitos.
Realizando a sua melhor fase na frente de uma platéia ao vivo, era amplamente reconhecido como um dos melhores músicos de blues a pisar no palco. "The first Irish rock'n'roller and a unique blues guitar voice rolled into one. Missed by everyone" (The Guitar Magazine, August 1995).

Lançou seu primeiro album, chamado apenas Rory Gallagher  e a partir daí, sua carreira começou a decolar, e no mesmo ano de 1971 lançou seu segundo álbum, chamado Deuce onde o objetivo principal era gravar as músicas como um show ao vivo  e o resultado foi um álbum com pouca produção e totalmente elétrico. Palavras do próprio Rory: "Eu amo tocar para o povo. O público significa muito para mim. Não é uma coisa vazia. Eu amo gravar também, mas preciso de um contato regular e frequente com o público, porque ele me dá energia!!!"
Ele foi convidado a substituir Mick Taylor nos Rolling Stones na virada de 1974 para 1975. RECUSOU O CONVITE!
                               
As perfomances ao vivo foram elogiadas por gente como Ritchie Blackmore e Roger Glover, do Deep Purple, Rod Stewart e Ron Woods, dos Faces (este último herdaria a vaga nos Stones) e por Pete Townshend, do Who.
Era um guitarista de poucos efeitos, mas de muito feeling e muita energia, com um conhecimento absurdo de timbragens e amplificadores.
Foram 16 álbuns em 30 anos de carreira, desde o surgimento do Taste, em 1965, até a sua morte, em 1995, causa por uma infecção hospitalar após um malsucedido transplante de fígado – era um beberrão de primeira e alcoólatra assumido.
Quando de sua morte, a revista Rolling Stone norte-americana colheu alguns depoimentos de músicos não muito importantes na história do rock: “Rory foi um dos grandes guitarristas de todos os tempos e um grande cavalheiro, uma pessoa muito simples”, declarou Bono Vox, líder do U2, outra banda irlandesa.
Correm pela internet textos com versões de uma suposta declaração de Jimi Hendrix a respeito do irlandês.  Após a apresentação de Hendrix no Festival da Ilha de Wight de 1970, que também teve o Taste atração, um repórter perguntou: ”Como é a sensação de ser o melhor guitarrista do mundo?” Hendrix não perdeu tempo: “Eu não sei. Vá perguntar a Rory Gallagher.”